Viver na Itália: segurança

Viver fora do nosso país implica muitas coisas, seja do ponto de vista prático que emotivo. É inevitável sentir saudades. Quando a gente escuta uma música, quando a gente lembra de um momento ou tem uma vontade inexplicável de abraçar um parente ou sentar com um amigo na mesa de bar para conversar. Por mais que a tecnologia hoje nos aproxime em tempo real, nada substitui a sensação de viver plenamente um momento ao vivo e a cores.

Quando a saudade bate forte, a gente começa a pensar nos motivos pelos quais estamos aqui, tão longe. E um deles, dos mais importantes, é a segurança. Não estão muito longe da lembrança os momentos em que eu entrava no carro e tinha de ser ágil. Bloquear portas, dar partida e precedentemente ter olhado por todos os lados para certificar-me de que não tinha ninguém “me esperando”. Angústia.

viver na itália
Vida tranquila em Veneza

Eu moro em uma cidade média do norte da Itália e quando vou a grandes cidades frequentadas por turistas como Milão e Roma, a única coisa que me preocupo é de não dar mole com bolsas e mochilas, mas nunca tive medo de um assalto à mão armada ou uma agressão. O que pode acontecer por aqui, são pequenos furtos a pessoas distraídas, principalmente turistas.

Eu caminho à noite tranquilamente e não tenho medo de voltar pra casa. Nunca ouvi relatos de amigos e conhecidos que tenham passado por algum momento de medo e insegurança. A crise na Europa e no mundo tem trazido pra cá um grande número de imigrantes que na maioria das vezes não consegue facilmente uma colocação no mercado de trabalho. Este fato gera um desequilíbrio social e nos últimos tempos tenho visto algumas pessoas na rua pedindo esmola e isto é bem triste.

vida na itália
Aqui as crianças brincam na rua. Isto não deveria nos supreender

Aqui tem policiamento nas ruas, principalmente em lugares onde existe aglomeração de turistas e estações de trem, metrô. É sempre bom ficar alerta nestes locais. Como disse antes, ocorrem alguns furtos e a gente tem que prestar atenção às nossas bolsas e mochilas. Eu procuro evitar também becos escuros ou ruas muito ermas, mas por pura cautela de quem nasceu e cresceu no Brasil e teve de se acostumar com este medo diário.

vida na itália

Há poucos dias eu vi na TV, as imagens desesperadas de um pai que no meio do trânsito infernal da linha vermelha no Rio se esconde atrás do carro para proteger seu bebê de um tiroteio.  E me lembrei também do medo que eu tinha de chegar na casa dos meus pais (em uma pequena cidade do interior de Minas) e descer do carro pra ter que abrir o portão. Finalmente eles colocaram um portão eletrônico. Eu me mudei de lá. E quando sinto saudades procuro pensar na segurança que eles também sentem em me ver aqui, protegida e feliz.

 

 

15 comments
Previous Post
Next Post