Roteiro alternativo em Veneza, como explorar a cidade fora do circuito

Nos últimos tempos tenho recebido muitas mensagens e depoimentos de pessoas que não conseguiram aproveitar seus dias em Veneza. A reclamação é comum a todas elas, cidade lotada, até mesmo nos dias de semana. Que Veneza seja um destino superinflacionado é um fato. Este post que escrevi há alguns anos sobre o turismo de massa é bem atual e ilustra bem a situação. Como fazer então para levar boas lembranças da cidade? Pra mim a resposta mais lógica é apostar um um roteiro alternativo e explorar a cidade fora do circuito turístico tradicional.

Nos passeios guiados que eu ofereço, tenho atendido muitos pedidos do tour Veneza Alternativa, onde exploramos algumas áreas fora do circuito turístico. É o sinal de quem muita gente tem privilegiado conhecer melhor a essência da cidade, evitando as multidões.

O circuito turístico tradicional

Muitas pessoas que vêm a Veneza, geralmente têm pouca informação sobre a cidade. Sabem que existem os canais, as gôndolas, ilhas e a monumental Praça São Marcos. Mas não pesquisam sobre as outras inúmeras atrações que podem ver na cidade. Mas não é o seu caso, visto que você veio parar aqui no blog, certo?

A zona mais visitada de Veneza é a Praça São Marcos e seus arredores. A Basílica, o Palácio Ducal, os cafés históricos, o campanário, os museus. Algumas pessoas exploram também a região de Rialto, induzida pelas placas que sinalizam o local. Por ser uma cidade que parece mais um labirinto, em um primeiro momento, Veneza pode assustar ou criar confusão e insegurança para o turista, por isso muita gente acaba se concentrando nesses pontos mais conhecidos.

Nas calles mais estreitas, forma-se uma verdadeira procissão, todos enfileirados, caminhando lentamente, sem qualquer possibilidade de aproveitar para admirar as belezas da cidade. Um desconforto e uma decepção enorme.

Dicas para aproveitar melhor a experiência do roteiro básico

  • a primeira dica, muito importante: se puder, evite os finais de semana. Aos sábados e domingos a concentração de turistas sobe já que os europeus, os próprios italianos e pessoas que vivem nos arredores de Veneza, se deslocam até a cidade. É nos finais de semana principalmente que os navios de cruzeiro atracam e isso influencia muito na quantidade de gente que você irá encontrar
  • chegue cedo, a basílica de São Marcos abre às 9h, mas a fila começa antes disso, se quiser fotografar com calma e sem que muita gente apareça das fotos, aproveite as primeiras horas do dia
  • compre os ingressos com antecedência. No período que vai de 1° de abril a 1° de novembro, existe um serviço de “fura fila” oferecido para entrar na basílica e no campanário com hora marcada. É possível comprar também os ingressos para o Palácio Ducal e museus da praça previamente, o que diminui sua espera na fila.
  • o horário noturno também é maravilhoso para curtir a praça, seus edifícios e os cafés históricos. Apesar das atrações fechadas, você pode aproveitar para admirar a parte externa dos palácios, fotografar e aproveitar o clima, já que a cidade esvazia muito depois do pôr do sol

Dicas para fugir do roteiro básico

  •  a primeira delas e mais importante: não tenha medo de se perder. Por mais que pareça assustadora esta disposição estranha da cidade, é se perdendo que você irá encontrar uma Veneza mais genuína, escutar o dialeto local e conhecer os ateliês dos artesãos.
  • se a sua preocupação é que tem pouco tempo na cidade, eu indico o Guia Passeios em Veneza, e-book que eu escrevi como 5 itinerários, entre clássico e alternativo, que ajudará você a otimizar seu tempo
  • divida seu roteiro por zonas e bairros da cidade. Pesquise as atrações que podem te interessar em cada bairro e escolha o que explorar. Leia mais sobre cada bairro de Veneza e seus atrativos nesta série de posts que eu fiz
  • por que não escolher um hotel fora do circuito turístico tradicional? Além de evitar a confusão e o barulho, é uma ótima chance de explorar outras partes da cidade. Dê uma olhada nas sugestões de hospedagem aqui
  • existem museus espalhados por toda a cidade. Muitos ficam nos monumentais palácios históricos do Canal Grande e vale a pena a visita. Quase nunca, exceto em dias de gratuidade e lançamentos de novas mostras, você irá encontrar fila e muita gente. Alguns deles são a Ca´Rezzonico, museu que abriga acervo do período dos anos 1700, o Palazzo Mocenigo, onde funciona o museu da moda e do perfume e a Ca´Pesaro, que abriga o museu de arte moderna e oriental.
  • não deixe de visitar o Mercado de Rialto, onde verá os locais que fazem suas compras e os vendedores que falam o dialeto. O mercado funciona pelas manhãs e fecha aos domingos e segundas
  • se possível pesquise restaurantes e osterias fora dos arredores da Praça São Marcos. Existem sim bons restaurantes, mas a chance de entrar em um ruim é grande. Conheça neste post algumas opções

Veneza bairro a bairro

Veneza é dividida em seis sestieri ou bairros. Entre eles está o Canal Grande, que é considerado a avenida principal da cidade. Por ser uma lugar com uma história milenar e ter grande importância do ponto de vista artístico e arquitetônico, praticamente em todos os seis bairros, você irá encontrar pontos de interesse.

São Marcos

Aqui estão as atrações principais e mais famosas da cidade como dito anteriormente. Mas não pense que todo o bairro é tomado pela horda de turistas. Se você se afasta um pouquinho das calles principais, já encontra um pouquinho de calmaria, como por exemplo os arredores do Teatro La Fenice e Campo Sant Anzolo. Para conhecer as atrações do bairro, veja este post.

San Polo

Grandes tesouros estão espalhados por este bairro, onde fica a zona de Rialto, lugar em que a história de Veneza praticamente começou. Museus, a igreja mais antiga da cidade, entre outras igualmente importantes prontas para serem exploradas. Para conhecer as atrações do bairro, veja este post.

Cannaregio

Cannaregio é um dos bairros mais bacanas de Veneza. Saindo das imediações da estação de trens, você irá encontrar grandes espaços, campos, ruas longas que margeiam canais, ditas fondamentas, igrejas, museus e o importante gueto judeu. Para conhecer as atrações do bairro, veja este post.

Santa Croce

Também fica próximo à estação de trens e aqui estão duas das pontes que cruzam o Canal Grande, Scalzi e a famosa ponte projetada por Santiago Calatrava. Alguns museus, como o Museu de História Natural e igrejas, como a monumental San Stae estão aqui. Para conhecer as atrações do bairro, veja este post.

Castello

Pouco atrás da Basílica de São Marcos já começa o bairro de Castello, talvez ainda muito pouco explorado pelos turistas. A atração mais importante sem dúvidas é o Arsenal, antigo estaleiro naval, onde onde acontecem algumas mostras no período da Bienal de Arte. Mas o melhor de Castello é explorar as calles, lojinhas, restaurantes e observar o dia a dia dos venezianos. Para conhecer as atrações do bairro, veja este post. 

Dorsoduro

Para quem adora arte, um deleite. Museus, como a importante Galleria dell’Accademia ou Peggy Guggenheim, galerias privadas, ateliês, artistas de rua. Além da majestosa Basílica da Saúde. Pra mim, um dos bairros preferidos fora do circuito. Para conhecer as atrações do bairro, veja este post.

 

4 comments
Previous Post
Next Post