Degustação nas colinas do prosecco

Descobrir o território por meio do vinho. É assim que uma degustação nas colinas do prosecco pode oferecer uma experiência única entre os vinhedos, à descoberta do processo de produção do vinho. A enogastronomia tem um apelo tão forte nesse país que por aqui estima-se que o vinho atraia pelo menos 5 milhões de turistas por ano.

O consumo de vinho na Itália, mesmo em tempos de crise e em queda, é considerável. Estima-se que o italiano consuma30 litros de vinho por ano. No Brasil, o consumo per capita anual é de 2 garrafas. Muitos turistas quando vêm a Itália buscam na degustação uma maneira de descobrir o território e ter o prazer de tomar um vinho exatamente no lugar onde ele é produzido.

colinas do prosecco1

O Vêneto é um dos mais importante produtores de vinho, é a região da Itália que mais exporta no mundo. A região de Treviso, onde moro, é muito conhecida pela produção de prosecco, o vinho espumante que a cada ano conquista números impressionantes de consumo interno e exportação.

As colinas do prosecco se estendem por um território feito de paisagens incríveis bem próximo à cidade de Treviso. Em Rolle,  um borgo de origem medieval na província de Treviso está uma das minhas vinícolas preferidas, a Vigne Matte, que pode ser traduzido como “Vinhedos loucos”, uma estrutura inteiramente construída no interior de uma colina. O projeto arquitetônico é incrível porque além de se integrar perfeitamente com a paisagem, permite ainda a temperatura ideal para a conservação dos vinhos.

isacolina

Durante a visita, além de degustar os vinhos, um enólogo explica o processo de produção do prosecco, da vinificação até o engarrafamento.

degustação vinho itália

prosecco

O início do processo: por aqui chegam as uvas que serão esmagadas para serem transformadas em mosto. As uvas são colhidas manualmente pois é impossível utilizar qualquer tipo de maquinário nas íngremes colinas. É um trabalho árduo que garante a colheita de uvas sadias e no nível justo de amadurecimento.

tonel prosecco

Segundo passo: aqui começa o processo de fermentação que vai transformar o açúcar em álcool. O vinho fermentado permanece em repouso de 2 a 3 meses nessas tinas de aço inox com a temperatura controlada pelos enólogos.

tonel prosecco2

Aqui ocorre a segunda fermentação, a espumantização feita pelo método charmat. O processo de produção do prosecco é diferente da do champanhe, onde a segunda fermentação é feita diretamente na garrafa, pelo método champenoise. A fermentação no método charmat dura de 45 a 60 dias.

engarrafamento prosecco

Essa é a máquina utilizada para engarrafar o prosecco.

tonel vinho

Esses barris são utilizados envelhecimento do vinho tinto. O processo dura de 18 a 24 meses e possibilita a oxigenação e a suavização dos taninos, responsáveis pela adstringência do vinho.

prosecco valdobbiadene

Depois dessa trabalheira toda o prosecco está pronto para consumo. Nós compramos uma caixa com seis garrafas e os preços variavam de 5,50 a 8 euros. Comprar diretamente do produtor é ótimo. Geralmente em toda a região do Vêneto o preço não varia tanto, mas basta mudar de estado já começa a sentir a diferença. A temperatura ideal de consumo do prosecco é de 6 a 8 graus. Tin tin!

A vinícola Vigne Matte fica na localidade de Rolle, em Cison di Valmarino. Entre no site da estrutura para saber mais informações. Para almoçar, eu recomendo o restaurante Da Andreetta, que faz pratos típicos da tradição trevisana e tem um terraço com uma vista de tirar o fôlego das colinas do prosecco.

14 comments
Previous Post
Next Post